[Especial] Literatura Universal





"A experiência literária torna-se arte e prazer porque esses elementos - ideias, fatos e personagens - são narrados em uma linguagem única, que explora sons e sentidos por meio de palavras que contam, cantam e encantam" (FABRINO, 2014).

De inscrições primitivas, como cuneiforme e hieroglifos, realizadas em papiros e pergaminhos desde o período Neolítico (8 mil a.C) até a Idade de Bronze (4 mil a.C), onde a escrita surgiu de forma concreta, existem diversos registros que reproduziam histórias de aventuras e contos religiosos. Por essa razão, as primeiras narrativas conhecidas são os registros escritos tardiamente de composições que vieram da antiga tradição oral.

Entre os primeiros compêndios estão o Código de Hamurabi, Emma Elish, Livro dos Mortos e o Antigo Testamento da Bíblia, o que representa o reflexo do questionamento humano em busca de entender quem somos e de onde viemos, com destaque para elementos da natureza, além da ênfase no poder criador da palavra pelo homem. Esses textos foram importantes para a criação da moral e da preocupação com o conceito de certo e errado, pois era assim que a vida pós-morte seria julgada. 


Os gêneros literários

Na cultura ocidental, as primeiras classificações dos gêneros vieram de Platão, no período que a primeira noção de distinção entre poesia e prosa se estabeleceu. A partir daí vários questionamentos tornaram complexa a classificação de gêneros que se tornou assunto de debate para críticos literários e filósofos.

A literatura ocidental e o antropocentrismo

O século milagroso refere-se ao momento em que foi notado o grande avanço obtido simultaneamente na filosofia e nas artes, é o momento em que os questionamentos sobre a humanidade desfocam-se dos deuses e se volta para o homem, focando-se no cotidiano, na ciência e nos sentimentos.

Duas grandes obras chinesas foram de grande importância para o desenvolvimento da literatura ocidental, elas são: A Arte da Guerra de SunTzu e Os Analectos de Confúcio. Essas duas obras abordam de forma direta maneiras de agir, principalmente em situações de batalhas, reforçando o conceito de certo e errado, mas distanciando-se da crença religiosa.

Entretanto, foi graças ao que era produzido na Grécia que surgiram características que aproximam do atual conceito de literatura, uma vez que, os primeiros textos que começaram a diferenciar fatos de dados imaginários, misturando história, mitologia, imaginação e crítica social. Através de Aristóteles que a catarse surgiu para classificar uma obra literária, por permitir o processo de identificação, arrebatamento e purificação próprio da arte.

Segundo Fabrino (2014, p. 53) sobre a influência da literatura grega:

"A literatura grega exerceu grande influência em toda produção vindoura, tanto que a chamada literatura clássica nos remete a essa produção, inspirando, desde a literatura romana a toda a produção ocidental, inclusive em tempos recentes. Os gêneros literários mais expressivos - épico, lírico, dramático, sátira, história, fábula e prosa narrativa - foram criados pelos gregos e as formas que surgiram posteriormente são, em sua maioria, adaptações dessas criações. Em um momento de efervescência cultural e de predomínio da visão antropocêntrica, muito adequado para o florescimento da produção literária grega. De lá vieram os primeiros poetas, como Homero, Hesíodo, Píndaro, Safo, Eurípedes e Aristófanes, além de Esopo, com suas fábulas."

Já no ocidente as primeiras obras literárias vieram do grande poeta Homero (autor de Ilíada e Odisseias, duas grandes poesias épicas), entretanto existem discussões sobre o nome e a existência do poeta, que supostamente viveu por volta do século VIII a.C.

Após Homero outros poetas tiveram sua participação na literatura, que continuou se desenvolvendo com constante reflexão hora sobre o homem, hora sobre as divindades, o que favoreceu diálogos com textos ainda mais antigos ao período em que os poetas viveram. Entre esses poetas está Safo, uma poetisa que viveu aproximadamente 630 a.C e foi censurada pelo teor explícito de seus textos, entretanto se destacou pela escrita refinada e elegante. 

Diante disso surgiram os grandes mestres do teatro que incluíram maior diversidade de personagens, que ainda refletiam sobre a tradição (heroico / divino) e atos históricos recentes, que nesse sentido traduzia a realidade. Por fim, Esopo que viveu entre 620 a.C a 564 a.C, é o autor que fortalece a fábula e o apólogo, em seus textos os protagonistas são animais que apresentam características humanas, com vícios e virtudes.


Literatura e religiosidade: período medieval


Os desdobramentos dos fatos históricos exerceram influência na produção literária, principalmente com o apogeu e a queda do Império Romano e o surgimento do cristianismo. Em Roma, mesmo no período da consolidação do cristianismo, não sofreu interferência em atividades culturais, embora essas produções não tinham sido vastas ainda houve grandes poetas no período. Interessante destacar que, a distinção entre poetas e prosadores não era clara como na Grécia e se misturava em algumas ocasiões.

A consolidação da literatura e a passagem para uma abordagem mais antropocentrista decorrente das mudanças históricas impotas com o fim do feudalismo, o declínio do poder da igreja, a invenção da imprensa por Gutemberg, e o surgimento das novas classes sociais, favoreceu o surgimento de movimentos estéticos, como humanismo e o classicismo, manifestados também em Portugal.

Enquanto isso em Roma, autores como Plauto - que posteriormente inspirou Shakespeare - não inovaram a sua arte, buscando manterem-se fiéis aos registros gregos. Catulo, junto com um grupo de "poetas novos" começou a quebrar essa linha direta com a arte grega, escrevendo sobre casos de amor ou temas da natureza, usando linguagem coloquial e versos ligeiros.

Entre outros autores temos Horácio com temas epicuristas, como a importância de aproveitar o presente (carpe diem) e o reconhecimento da brevidade da vida e a busca pela tranquilidade (fugere urbem), e Virgílio que tinha como ideia central a utopia, de forma romântica em Bucólicas, social em Geórgicas e políticas em Eneida. Também deve-se lembrar de Sêneca, um dos mais célebres advogados, escritores e intelectuais do Império Romano, que inspirou o desenvolvimento da tragédia na dramaturgia europeia e renascentista. Sobre o autor, Fabrino (2014, p. 91) diz que:

"Sêneca, diferente de um filósofo, foi um entusiasta da filosofia, era mais poeta e humanista. O elemento preponderante em suas obras são os sentimentos mais do que as ideias, com as quais pouco contribuiu. Sua prosa é vivaz, variada, alegre moderna e eterna."

Com a queda do Império Romano e o surgimento do feudalismo unido ao controle da Igreja Católica sobre a produção cultural fazendo com que poucas obras fossem produzidas e resguardando nos mosteiros a língua e a civilização latina, foi o período que marcou o início da Idade Média, que provem o caminho para o trovadorismo e o início da literatura em Portugal.

Ainda no período medieval vieram as primeiras novelas de cavalaria, com destaque para o clássico Beowulf, além de outras expressões literárias que tiveram significativa importância, como as produzidas na Índia e no Japão. Também nesse período, as primeiras expressões das canções de gesta, narrativas orais que contavam as aventuras de guerras, tiveram sua participação na história literária.

Percebe-se que o período medieval é recheado por temas voltados a religião, guerra e posteriormente aos sentimentos, o que mostra a forte preocupação não somente filosófica de registrar pensamentos e ensinamentos, além de dar voz aos sentimentos. Fazendo com que a literatura ganhasse forma e caminhasse para o que conhecemos hoje.


A consolidação da literatura

A literatura se consolida com transição de temas dando espaço a assuntos sentimentais, sátiras e críticas sociais, abandonando o teocentrismo que por muito tempo prevaleceu nos textos, esse cenário favoreceu o surgimento do humanismo, que:

"[...] afirma a dignidade do homem e o torna um grande explorador dos mistérios da natureza. Tem uma compreensão fortemente antropocêntrica e racionalista do mundo, sendo o homem, aliado ao raciocínio lógico e à ciência, o juiz de todas as coisas" Fabrino (2014, p. 117).

Vários autores criticavam o humanismo e se mantinham fieis aos traços primordiais da literatura, embora abrindo portas para novos gêneros, como a distopia que surgiu dos textos utópicos de Thomas More. Por tanto, a literatura já não se restringia a prosas e poesias e tomava forma em crônicas, romances, entre outros.

Posteriormente surgiu o Classicismo, literatura produzida durante o renascimento que também defendia o antropocentrismo com princípios racionais, visando romper  a ideologia medieval , resgatando a cultura clássica. Esse período é representando por Shakespeare, que teve grande importância literária.

Podemos dizer então, que a literatura surgiu da relação de intertextualidade entre textos e culturas desde o período medieval, de forma que isso contribuiu para que os textos tomassem forma e favorecendo a evolução dos gêneros e temas retratados.

Nosso primeiro olhar pela literatura universal termina aqui, no canal do Youtube falarei brevemente sobre esse percurso também, e na próxima semana darei continuidade ao estudo da literatura universal, tema tão importante para compreender o mundo literário e também o quanto esses movimentos afetaram e foram afetados pelos grandes acontecimentos da sociedade.

Se você quiser assistir ao vídeo, aqui está 💖




Até a próxima!




Bibliografia:

FABRINO, Ana Maria Junqueira. História da literatura universal. Curitiba: InterSaberes, 2014. (Série Literatura em Foco).

[Livro] Caixa de Pássaros



Autor: Josh Malerman 
Ano de lançamento: 2015
Sinopse: Romance de estreia de Josh Malerman, Caixa de pássaros é um thriller psicológico tenso e aterrorizante, que explora a essência do medo. Uma história que vai deixar o leitor completamente sem fôlego mesmo depois de terminar de ler. 

Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas. Cinco anos depois do surto ter começado, restaram poucos sobreviventes, entre eles Malorie e dois filhos pequenos. Ela sonha em fugir para um local onde a família possa ficar em segurança, mas a viagem que tem pela frente é assustadora: uma decisão errada e eles morrerão.

Elas são o infinito...

Caixa de Pássaros conta a história de um mundo em crise apocalíptica, há uma sincronia entre o momento atual da personagem Malorie e seus primeiros passos quando as criaturas começaram a agir e o mundo entrar em colapso. Um terror psicológico que te causa arrepios e que te entrega mais perguntas do que respostas enquanto os personagens encontram motivações para continuar lutando e vivendo em meio a uma realidade a que não estavam preparados.

Depois do grande sucesso do filme de Caixa de Pássaros finalmente conclui a leitura do livro, percebi os motivos de muitas pessoas não terem gostado da adaptação e também o motivo do filme ter sido bem recebido por quem não conhecia a história, mas em síntese os dois representam de forma bem semelhante a angustia e a existência das criaturas.

É verdade que o livro nos introduz muito mais ao cenário, e há uma brutalidade muito mais real que não vemos no filme, e a importância de alguns personagens foi deixada de lado, com destaque para as crianças que no livro são muito mais fortes e treinadas. Isso são um dos grandes motivos da insatisfação dos fãs da obra original, outro ponto que faz merecer as críticas são as reflexões sobre as criaturas, que no livro ganham uma profundidade especulativa maior do que no filme, onde são feitas conclusões de forma muito rápida e pouco analítica.

"Conhecer o teto da mente humana é saber o poder total dessas criaturas. Se for uma questão de compreensão, com certeza então o resultado de qualquer encontro com elas deve ser muito diferente para cada homem. O meu teto é diferente do seu. Muito diferente dos macacos desta casa. Os outros, engolfados como estão nessa histeria hiperbólica, são mais suscetíveis às regras que aplicamos às criaturas. Em outras palavras, esses simplórios, com seus intelectos infantis, não vão sobreviver. Mas alguém como eu, bem, já comprovei meu argumento."

Há muitas cenas no rio que são de tirar o fôlego, a forma como as crianças estão atentas aos sons, e a forma como os animais rodeiam a cena, causando desespero em Malorie e seus filhos, em especial uma cena com os pássaros que voam sobre eles em um momento em que a criatura tenta fazer com que a mulher tire as vendas, sem dúvidas essa é a segunda cena mais aterrorizante do livro, perdendo apenas para a cena do parto de Malorie, e o que ela tem que fazer para proteger as crianças e ainda sobreviver ao parto e às mortes ao seu redor. De fato, o livro é muito mais descritivo e cruel, o que causa maior imersão na história, porém na maior parte do tempo senti que não encontrei a profundidade necessária nos personagens, até mesmo em Malorie, o que não me proporcionou afetividade com os personagens do livro. 

"Ela imagina a casa como se fosse uma grande caixa. Quer sair daquela caixa. Tom e Jules, mesmo do lado de fora, ainda estão naquela caixa. O planeta inteiro está trancado nela. O mundo está confinado à mesma caixa de papelão que abriga os pássaros do lado de fora. Malorie entende que Tom está procurando uma maneira de abrir a tampa. Busca uma saída. Mas ela sempre se pergunta se não há outra tampa acima daquela, e depois mais uma. Encaixotados, pensou. Para sempre."

Diante de tudo há poucos momentos reflexivos no livro, mas quando acontecem parecem falar mais com a nossa realidade, o que gostei bastante de ler, pois é possível fazer um paralelo entre a história e nossas próprias caixas do lado de cá, sempre presos por alguma caixa invisível. O ponto que realmente se destaca no livro é essa reflexão sobre a própria humanidade.

É um livro bom, você se sente curioso para ver como as coisas vão se desenrolar, os dramas na casa onde aquelas pessoas estranhas vivem juntas é pouco explorado, mas em compensação a ameaça invisível e constante que as criaturas causam aos sobreviventes dá o tom perfeito para que a história siga interessante. É como se você estivesse mais ligado ao cenário do que aos próprios personagens.

Fazendo novamente uma comparação entre o filme e o livro, há muitas divergências, e cenas que poderiam ter dado mais sustentação ao drama, por isso é compreensível que os fãs do livro tenham se sentido incomodados com a tamanha exclusão de detalhes, enquanto para os não leitores, fica fácil gostar do filme, que traz uma boa dose da essência aterrorizante do livro, embora com um ar bem mais sutil. 

A conclusão a que chego é que ambos são bons, principalmente se considerados de forma independente, ainda assim os dois carregam aberturas para necessidades de maior ligação com os personagens, ou seja, um reflexo mais cuidadoso das relações humanas que seriam travadas naquela situação e um aprofundamento maior sobre as criaturas, ou Infinito. A história ser aberta é muito interessante, mas acho que poderia ter sido abordado de forma mais cuidadosa e profunda. 

É claro que também devemos destacar o método inteligente de escrita do autor, que aprimora a escrita em sincronia com a música, fazendo com que as palavras quase pudessem ser ouvidas, e os sentidos da audição são incrivelmente aguçados. Cuidado esse que diferencia a obra de Malerman de outros livros do gênero, garantindo a qualidade da obra em harmonia com a paixão pela música.

E você, o que achou de A caixa de pássaros?



[Série] Rebels


Estreia: 18 de outubro de 2014
Temporadas: 4
Sinopse: Os Jedi foram exterminados e o Império espalha tirania pela galáxia. A esperança é quase inexistente. Mas no pequeno planeta de Lothal uma grande mudança está próxima. Um grupo de rebeldes encontram um garoto de 14 anos de idade chamado Ezra e logo fica claro que os seus destinos estão ligados. A bordo de sua nave, Ghost, Ezra e os rebeldes embarcam em uma aventura para iniciar uma rebelião e contra-atacar o Império.


     As primeiras chamas da rebelião...
     Já tem um tempinho que estou devendo a resenha de Rebels, mas finalmente vou falar o que achei das aventuras dos rebeldes de Star Wars.
     A série, como o próprio nome diz, gira em torno dos primeiros grupos rebeldes que nasceram para lutar contra o imperador e seus septos siths, o grupo principal que viaja na nave Fantasma, conta com a participação de um jedi remanescente e seu aprendiz, além disso nós temos alguns breves momentos de aparição de Ahsoka Tano e Obi Wan, e outros jedi do passado. Nós também vemos um pouco de Leia e Lando mais jovens.
     Rebels foca nos esforços de grupos pequenos que lutam para proteger e salvar o povo da pobreza e da fome, vivendo aventuras grandiosas no espaço e também em outros planetas, Ezra é o jovem aprendiz jedi que precisa encontrar a força e entender como ela funciona, compreender a relação entre o bem e o mal e lutar ao lado dos novos amigos.
     A série é bastante emocionante, principalmente a última temporada, que marca a perda de um personagem muito significativo (chorei horrores, sim) e com a centelha da rebelião mais forte do que nunca, reflexo das várias vitórias que Ezra e seus amigos conquistaram lutando bravamente contra diversos inimigos. Uma visão além dos personagens já consagrados, mas com tudo que nos leva diretamente para o universo, a série é bastante consistente (mais até do que The Clone Wars) e consegue construir um retrato dos anos após a queda de Anakin e a vitória do Império.
     Como típico do clima da franquia a série tem bons momentos de diversão, ação, mistério e drama, e os personagens são carismáticos, divertidos e profundos, cada um deles carregando suas motivações. Não posso dizer qual gostei mais, entre Rebels e The Clone Wars, mas posso dizer que a essa me emocionou e cumpriu seu papel para uma fã assumida de tudo que esteja relacionado a Star Wars.
     Se você quer saber o que achei de The Clone Wars é só visitar aqui, e eu falo sobre a ordem de como assistir aos filmes e as séries aqui.
     E vocês, o que acharam de Rebels?


[Série] Hannibal




Estreia: 4 de abril de 2013
Temporadas: 3
Canal: NBC
Sinopse: O novo drama será uma versão contemporânea da conhecida história, mostrando desde o início o relacionamento do agente do FBI Will Graham com o seu mentor Dr. Hannibal Lecter.


     
      Um olhar sombrio da mente humana...
     Provavelmente todo mundo já ouviu falar do famoso Hannibal Lecter, o canibal mais famoso da literatura e cinema, e hoje eu vim falar um pouquinho sobre a série que estrelando Mads Mikkelsen como Hannibal e Hugh Dancy como Will Graham.
     Eu só tive contanto com Hannibal nos filmes, e fiquei bastante fascinada pela construção do personagem, e enquanto eu não faço a leitura dos livros, resolvi dar uma chance para a série desenvolvida por Bryan Fuller e distribuída pela NBC.
     A série tem a atmosfera ainda mais sombria e com forte apelo psicológico, as cenas das mortes são bastante evidenciadas e o terror psicológico se abate com facilidade enquanto se assiste a jornada do investigador especial do FBI, Will Graham, em busca de um terrível serial killer. Will possui habilidades que nenhum outro agente possui, ele consegue analisar profundamente a cena de um crime e determinar a forma como as mortes aconteceram e quais foram os intuitos das mortes. Por ter essa percepção tão profunda, Will fica muito sensível e sua mente abre brechas, que precisam ser tratadas, então ele começa a se consultar com o brilhante e misterioso psiquiatra, Dr. Hannibal Lecter, que tem a missão de ajudar Will a lidar com os traumas que as mortes vão deixando em sua mente.
     Como todos sabem, o grande vilão da história é Hannibal, mas seu protagonismo na série é tão brilhante e inteligente que ele é capaz até mesmo de enganar todas as sua teorias sobre o que vai acontecer adiante, assim como ele faz com Will que passa por grandes desafios e tem de provar suas descobertas em um momento crucial, em que todos parecem estar nas mãos de Lecter sem nem ao menos se darem conta.
     Intenso, assustador, inteligente, a série perfura as camadas de medo e te leva para um caminho novo, com questionamentos sobre as escolhas dos personagens e totalmente inseguro sobre qual será o novo passo dado por Hannibal. A relação do psiquiatra com Will é perturbadora e em alguns momentos chega a transcender para uma conexão mental em que os dois se misturam e às vezes você já não sabe quem é quem.
     Com muitos jogos psicológicos, mortes sangrentas e desafios, a série me impressionou bastante, embora a série tenha parado de ser produzidas no fim da 3° temporada (cancelamento ocorreu pela falta de audiência, embora a crítica tenha estado a favor da série - ainda vele ressaltar que os produtores estão discutindo a possibilidade de resgatar a série através de outro stream, como a Netflix), deu para saborear uma boa dose de terror psicológico, e sentir um incomodo bastante significante. Confesso que tive que dar um tempo nos episódios depois do fim da segunda temporada, a carga é bastante pesada, principalmente para quem tem bastante sensibilidade.
     Em outros termos a série pode parecer lenta para quem gosta de ação, mas eu acho que tudo está na dose certa, o drama que é desenvolvido devagar, as descobertas, e as dúvidas, a série não se trata de ação e sim de te fazer imergir, fazer com que aquele clima sombrio e mórbido te faça se sentir na pele do Will.
     Eu me apaixonei pelo Will, e também fiquei maluca quando eu já não sabia que caminho ele estava seguindo, e Hannibal é tão frio que causa arrepios, ainda assim ele tem um modo de falar e agir que seduz, ele tem tudo que um predador inteligente precisa, ele seduz suas presas com sua casca de sensatez e inteligência, enquanto sua mente é engolida por um ácido desejo de ser maior que tudo e todos. Os outros personagens ficam um pouco apagados com a relação entre Hannibal e Will, mas ainda assim cada um deles tem importância e tornam o cenário ainda mais intenso.
     Recomendo a série para quem gosta de coisas sangrentas, mas principalmente para quem gosta de terror psicológico, e que esteja preparado para encarar uma série densa e que te suga para os dramas dos personagens.  


[Resenha] Colóquio Incorpóreo




Autora: Anne Presmanes
Editora: Independente/Amazon
Ano: 2018

Sinopse: Com parte do seu passado desvanecido, Aleida Elizalde desperta em um centro psiquiátrico sem saber o motivo de estar naquele lugar. Meio a narrativa da médica psiquiatra e de sua família,
que acreditam que é uma enferma mental, ela terá unicamente algumas lembranças repentinas, que irá fazê-la desejar jamais haver se recordado.

     O que você faria se acordasse em uma clínica psiquiátrica sem se lembrar de como foi parar lá?

     Colóquio Incorpóreo já começa com a protagonista Aleida, uma advogada conceituada, internada em uma clínca psiquiátrica, mas ela não sabe como foi parar lá, e suas memórias estão distorcidas e desconexas, ela não consegue se lembrar de nada que tenha justificado sua internação. Sua última lembrança recente foi de quando perdeu o bebê que estava esperando, mas ela estava superando bem com ajuda do marido carinhoso e da filha, depois disso sua mente precisa se esforçar para lembrar o que aconteceu.

     Angustiante, o livro nos deixa intensamente ligados ao destino de Aleida, que busca respostas de todos ao seu redor, mas ninguém está disposto a contar o que resultou sua insanidade, todos dizem que ela precisa lembrar por si mesma. Aleida vive o despertar de um surto muito sério, que causou a sua internação, mas o que teria feito para chegar a tal realidade? Qual a gravidade de seus atos para que ninguém pudesse lhe contar?

     Escrito de uma forma bem distinta e interessante, Anne coloca gírias e expressões mexicanas em seu texto, o que inicialmente pode causar estranheza, mas a autora apresenta o glossário das palavras e logo já ficamos habituados às expressões, e tamanho é o bom desenvolvimento da narrativa, que aos poucos nem nos damos contas das palavras "estranhas" e estamos totalmente imersos ao livro.
Com um desfecho totalmente inesperado, a trama é finalizada com grande impacto, mas que reflete a temática da história de forma bem harmônica.

    Intrigante, a leitura flui entre os momentos de Aleida na clínica e os acontecimentos que ocorreram antes de sua internação, representados pelos flashes de lembrança que a advogada tem, enquanto busca respostas. Esse jogo de situações nos dá abertura para questionamentos do tipo: Aleida realmente fez algo terrível para ficar nessa condição? Alguém fez algo com Aleida para que ela fosse internada? Quem poderá ser o culpado?. Isso se dá devido a importância de alguns personagens enigmáticos e problemáticos que surgem no decorrer da história, portanto prepare-se para encarar uma história que vai te fazer ficar totalmente imerso e arrancará várias perguntas no processo.

     Um livro intenso e muito bem escrito e totalmente recomendado para todo mundo que gosta de um bom thriller psicológico, que está preparado para qualquer final, e que está preparado para imergir na mente de Aleida.

     Para saber mais sobre "Colóquio Incorpóreo" assista:



[2° Edição] Divulga Wattpad




O projeto “Divulga Wattpad” está de volta!
Ano passado abri o primeiro especial de divulgação de originais do Wattpad aqui no blog, foi muito legal poder indicar os livros, e por isso resolvi trazer a segunda edição do projeto, agora ainda mais especial que o primeiro, então espero que gostem e que esse projeto contribua muito para que suas obras alcancem mais leitores, porque aqui somos todos uma comunidade que ama livros e ama escrever e nada melhor do que contar com o apoio mútuo nessa jornada.
A 2° Edição do projeto “Divulga Wattpad” funcionará assim:
  • Todo autor que publique no Wattpad poderá participar, desde que seu original respeite as regras no tópico seguinte;
  • O autor deverá preencher o formulário (link abaixo) e esperar a resposta por e-mail, comunicando a participação da obra no projeto;
  • As obras selecionadas serão divulgadas aqui no blog, como no ano passado, vocês podem verificar como foram feitas as divulgações AQUI;
  • E agora, o autor poderá divulgar quantas obras quiser em uma única postagem, todas terão sua sinopse e algumas primeiras observações que eu fizer sobre a escrita e apresentação do conteúdo do livro;
  • Além disso, os autores poderão optar por também responder a uma entrevista para o blog;
  • E para encerrar, no fim do projeto irei sortear 2 obras para eu ler e resenhar aqui no blog e no canal! Isso mesmo, seu original pode ganhar resenha escrita e em vídeo pelo blog!


Estou muito feliz em poder aprimorar o projeto e possibilitar um momento especial como esse e espero que vocês também se animem com este projeto. Antes é necessário que compreendam que alguns tópicos serão analisados antes do original ser aceito:
1.   Não serão aceitos originais com muitos erros gramaticais / de ortografia;
2.   Conteúdo que incentive uso de drogas ou que  seja válvula de escape para suicídio não será aprovado;
3.    Não serão aceitas obras que romantizem estupro, relacionamentos abusivos e/ou qualquer tipo de preconceito.

Compreendidos os detalhes da participação eu só tenho alguns pedidos para fazer, como em uma parceria, peço que vocês me ajudem nesses critérios:
1.      Se inscrever no canal do blog ( O Universo da Lua)
2.      Seguir o instagram do blog (@ouniversodalua)
3.      Seguir meu perfil no Wattpad (@lua_araujo94), os livros também ganharão divulgação por lá.
4.      Preencher o formulário (AQUI);
5.      Opcional: Seguir o Blog/Facebook/Twitter

As obras serão divulgadas sem a cobrança de nenhum valor monetário, apenas a contribuição no crescimento do blog e de suas redes sociais, e não farei favoritismo em relação a nenhuma obra, todas que obedecerem os critérios serão divulgadas e provavelmente obedecendo a ordem de preenchimento do formulário.
As inscrições para o projeto começam hoje 06/01 e vão até o dia 20/01, todos os livros inscritos até a data serão analisados e ganharão sua divulgação (avisarei quando as divulgações forem feitas por e-mail também), os participantes que desejarem participar do sorteio de resenha ganharão um número e o anúncio será feito no instagram para que não haja questionamentos sobre a validade do sorteio, tudo será informado assim que todos os livros do projeto estejam devidamente divulgados. Qualquer dúvida só deixar uma mensagem.
Boa sorte a todos e bem-vindos a nova edição do “Divulga Wattpad”!

[Resenha] A Rainha de Gesso



Autor: Danilo Pessôa
Editora: Independente/Amazon
Ano: 2018

Sinopse: Após pouco mais de três anos do incêndio criminoso que vitimou o rei e causou severas queimaduras à princesa Irene, ela seria reapresentada à sociedade do Reino de Torim. Jordana, antiga dama de companhia da monarca, não escondia sua ansiedade em revê-la. Mas, para o espanto dela e de toda a corte, a agora rainha Irene surge usando uma horripilante máscara de gesso. Teria o incêndio danificado tanto seu rosto a ponto de ela preferir usar uma máscara como aquela?
No caminho de volta para casa, ainda tentando acostumar sua mente com a bizarra imagem da monarca mascarada, Jordana é abordada por uma jovem mulher vestindo roupas em farrapos.
− Por favor, ajude-me! Eu sou a verdadeira rainha Irene. Aquela é uma impostora.


     A ambição pode mudar as pessoas, transformá-las em monstros...
     Em A Rainha de Gesso, a breve história de Danilo Pessoa, acompanhamos a vida de Dana, plebeia que trabalha no castelo do reino de Torim, amiga próxima da princesa. Depois de um terrível incêndio que mata o rei e desfigura a princesa, Dana fica afastada da realeza e ao lado do filho leva uma vida tranquila, que muda completamente com o anúncio da coração da princesa Irene que assumirá a posição de rainha, após a morte da família e alcançar a idade e saúde física necessárias para assumir o reino.

     "Três anos após a explosão no estábulo, as mudanças no Reino de Torim ainda eram visíveis. Principalmente para nós, que convivíamos no Palácio. Desde o incêndio, a princesa permanecera reclusa em seu quarto. Apenas os médicos e seus tios, o barão e a baronesa de Pomal, tinham acesso a seus aposentos. O casal, por sinal, na ausência de outro membro real apto, atuava como representante da monarquia em eventos, encontros e cerimônias oficiais. O poder do Reino de Torim, porém, passou a ser centralizado no parlamento, composto por membros da alta sociedade, e encabeçado por seu líder, o lorde Donato Arone."

     Nas vésperas da cerimônia de coroação Dana é ,abordada por uma mulher cuja aparência lhe causa espanto, uma vez que, é muito parecida com a princesa Irene antes da tragédia no estábulo, o que imediatamente causa espanto, já que a princesa nunca mais foi vista, sua imagem preservada atrás de uma máscara de gesso, devido as deformações causadas pelo fogo.

     "Do fundo do salão de eventos, a passos lentos, começa a surgir uma figura bizarra. Vestindo longas luvas cor de gelo, um grande e emplumado vestido azul-real e uma faixa nos cabelos, além de - o mais estranho de tudo - uma máscara branca de gesso cobrindo-lhe o rosto. Ela entrava no salão apoiada em um homem que auxiliava sua caminhada. Eu quase não respirava diante de tal visão, assim como praticamente todos os convidados. Eu mal conseguia acreditar que a bela princesa que um dia fora minha amiga havia se transformado naquele ser anômalo."

     Enquanto alguns fatos impedem a coroação, as intrigas são introduzidas no reino, e Dana fica no fogo cruzado, onde precisa escolher qual lado apoiar, a princesa com máscara de gesso ou a mulher misteriosa que ressurge depois de anos, bem no momento da coroação. Jogos de interesse, ameaças e política cobrem boa parte da história, até a sua conclusão, que apresenta uma resolução surpreendente e que nos leva para a resposta de um questionamento que norteia boa parte da história em relação a Dana e seu filho.

     A Rainha de Gesso é um livro empolgante e que causa tensão e é coberto de mistérios, nos causando forte expectativa para a resolução da trama. Um livro curto, mas que carrega uma forte mensagem política que fala sobre a busca incessante pelo poder, e como isso pode transformar as pessoas, corroendo o que há de bom e dando lugar a figuras obscuras e que só se importam com aquilo que os manterá acima dos outros.

     E se você quer saber um pouco mais sobre "A Rainha de Gesso" , assista ao vídeo resenha que fiz lá no canal do blog:




Subir